Há um grande número de leitores com dúvidas em relação ao uso e à eficiência da bicicleta ergométrica. Recentemente respondi algumas, mas acho pertinente aprofundar um pouco a discussão.

Afinal, são aparelhos bastante populares no uso doméstico. Fáceis de usar, menores e bem mais baratas que as esteiras.

Vale a pena usar?

Apesar de apresentar uma demanda cardiovascular e respiratória entre 10 e 15% inferior à corrida, pedalar é sem dúvida um excelente exercício aeróbico. E as bicicletas ergométricas são uma excelente alternativa para pessoas com sobrepeso e obesidade. E, em termos de gasto calórico, as estimativas são animadoras. São queimadas entre 350 e 600 calorias por hora de atividade, dependendo da bicicleta, do tamanho do praticante e da intensidade empregada.

Os modelos

Particularmente, eu prefiro correr, mas não há como negar que a bicicleta ergométrica facilita a vida de quem prefere se exercitar de forma prática, assistindo TV, ouvindo música ou lendo um livro. Há uma infinidade de modelos e marcas no mercado. Recomendo aquelas que ofereçam o ajuste de esforço magnético, pois tornam a pedalada mais suave e uniforme. Além disso, evita-se o desgaste mecânico e a troca de correias.

As mais conhecidas são a bicicleta vertical, a reclinada e a de spinning. A vertical é semelhante a uma bicicleta de passeio tradicional. Você senta em um pequeno banco, com as costas sem apoio e os pedais ficam posicionados.

As bicicletas reclinadas são indicadas para pessoas que estão acima do peso ou que sofrem de problema nas costas. Uma bicicleta ergométrica reclinada possui um assento de poltrona vertical com apoio para as costas, e os pedais ficam à frente – não embaixo. A desvantagem das reclinadas se encontra no preço (mais elevado) e na demanda cardiovascular e respiratória, um pouco inferior aos modelos verticais.

As bikes de spinning são bastantes populares em academias de ginástica, mas menos usadas em casa, pois são mais caras e exigem um conhecimento maior sobre o ajuste do selim, guidão, mesa e outros detalhes. No entanto, é sem dúvida a melhor opção para os que visam um condicionamento físico mais pronunciado.

Obervação: O ciclismo indoor (nome como a modalidade foi chamada) foi criado em 1995 nos EUA, pelo ciclista sul-africano Johnny G. O nome spinning é uma marca registrada, sendo um método de condicionamento físico utilizando a bicicleta ergométrica de ciclismo indoor.